DACAFAY

Angola: Assinado contrato de investimento para produção de farinha de trigo.

Luanda – Um contrato de investimento privado, avaliado em cerca de 40 milhões de Euros, que vai permitir a remodelação de uma unidade de trigo e a instalação padarias contentorizadas em 15 províncias do país, foi assinado hoje, em Luanda, entre a Unidade Técnica para o Investimento Privado (U.T.I.P.) e a Empresa Dacafy, Lda.

A localizar-se na província de Benguela, município do Lobito, o investimento visa também produzir farinha de trigo através de uma unidade moageira, bem como implantar padarias nas províncias de Luanda, Uíge, Cunene, Benguela, Lunda Sul, Lunda Norte, Cuando Cubango, Zaire, Bié, Huambo, Cuanza Sul, Huila, Cabinda e Moxico.

Até 2017, o projecto prevê a reabilitação total da moageira do município do Lobito que, numa primeira fase, terá a capacidade de processar cerca de 220 toneladas de trigo/dia. Neste período, o projecto também terá concluído o processo de implantação das 12 padarias.

Esta moageira prevê atingir o máximo da sua capacidade no quinto ano de actividade, podendo nesta fase processar até 500 toneladas de trigo/dia. Ainda neste período pretende-se concluir com o processo de implantação padarias, num total de 72 unidades, distribuídas pelo país, com prioridade para as zonas rurais.

O projecto, que vai gerar pelo menos mil e 467 postos de trabalho directos, dos quais mil 457 para angolanos, vai também criar postos de trabalho indirectos ligados à rede de distribuição de pão e farinha de trigo.

Na cerimónia de assinatura, o técnico do departamento jurídico da UTIP, Eusébio Américo Sapalo, disse trata-se de um projecto estruturante e sustentável, na medida em que está alinhado com a política económica do país e em conformidade com os programas dirigidos para produção de farinha nacional.

“O apoio institucional foi conseguido e acreditamos que deverá trazer um impacto económico e social, pois vai criar muitos postos de trabalho, dignificar a indústria transformadora, e mobilizar sinergia de alto padrão e experiência de varia índole de Espanha para Angola”, sublinhou.

Quanto ao apoio às empresas, disse haver no país uma política de prioridades relativamente à implementação de projectos considerados estruturantes para o contexto económico actual do país. Não obstante haver escassez de divisas, ainda assim, em relação aos projectos considerados estruturantes e fundamentais para o relançamento da economia nacional, estão a ser criadas políticas no sentido de oportunamente conceder prioridade a esses projectos.

Pela parte angolana, o sócio gerente da Dacafy, Lda, Gabriel Tchiaia Tchimungo, sublinhou que no primeiro ano de actividade a matéria-prima será importada (Rússia, Argentina e Estados Unidos), e que o projecto comporta um plano de responsabilidade social que prevê a produção de trigo nas províncias do Huambo, Bié e Cuando Cubango.

O projecto prevê também a produção de sementes de trigo na província do Cuanza Sul (Wako Kungo), onde neste momento já se trabalha numa área de 50 hectares.

“Dentro duas semanas prevê-se o primeiro arranque da produção de sementes de trigo para que no próximo ano agrícola se possa ter o cultivo nestas províncias. É nosso propósito no prazo de cinco anos deixarmos de importar, pois queremos que em cinco anos possamos produzir a farinha com o trigo cultivado no país”, informou.

A moagem do Lobito tem uma capacidade instalada para produzir 500 toneladas de trigo/dia, mas só tem uma capacidade operacional de 120 toneladas/dia. É intenção arrancar com cerca de 180 toneladas /dia depois de algumas remodelações que serão feitas na infra- estrutura.

A par disso, o projecto tem também um plano para formação dos camponeses antes de começarem a produzir o trigo, ao mesmo tempo que tem uma outra iniciativa avaliada em cerca de três milhões de euros que prevê a transformação do farelo que sai da moagem em ração animal.

Por sua vez, a embaixadora de Espanha em Angola, Júlia Olmo, disse na ocasião que o contrato ora assinado vai contribuir positivamente na criação de uma indústria produtiva no país, contribuir na diversificação económica e criar empregos.

“Valência representa uma indústria muito diversificada que pode complementar o que se esta a fazer em Angola. Espanha deseja ampliar o volume de comércio com Angola e as trocas comerciais entre os dois países estão a volta de dois mil e 500 milhões de euros”, disse Júlia Olmo.

Este projecto é importante para o fomento da produção de farinha de trigo e o aumento da oferta de pão para as populações rurais. A sua implementação responde a vários objectivos identificados no Plano Nacional de Desenvolvimento (PND).

Pela UTIP assinou o seu director Norberto Garcia, enquanto pela empresa Dacafy, Lda, rubricou Gabriel Tchiaia Tchimungo.